Entrevista com Maze, Dealema

O nosso entrevistado desta semana é o rapper Maze, membro do colectivo dealemático. Em entrevista ao Hip-Hop Web, Maze fala do seu EP a solo "Homem em Missão", do regresso dos Dealema ao Hardclub, futuros projectos, entre outros assuntos. Se quiserem saber mais, leiam a entrevista que se segue. ;)

 

 

 

 

 

 

HHW: Surgiste a solo com o EP "Homem em Missão", qual a razão para o teres editado em formato digital?

Quando o EP foi editado estava muito atento às dinâmicas de mudança na indústria musical, as vendas de cd caíam a pique, os downloads aumentavam, o myspace começava a ser uma ferramenta essencial na promoção dos artistas, algumas bandas internacionais começavam a oferecer os seus trabalhos gratuitamente para download, todos estes factores me levaram a pensar que o caminho ideal seria o que acabei por tomar. O EP abriu portas para uma avalanche de EP's e mixtapes de projectos underground do Hip Hop luso, que sairiam nos seguintes anos, oferecidos da mesma forma. No fundo este EP era um aperitivo para um álbum que por diversos motivos nunca chegou a sair e acabou obsoleto. Mas continuo a focar na minha carreira a solo e posso avançar que estou a fazer músicas, mas sem pressão nenhuma em cima, não tenho deadlines definidos.

 

HHW: Como foi o regresso dos Dealema ao Hardclub?

Foi muito bom voltar a pisar o palco do Hard Club com Dealema, temos recordações incríveis do antigo, concertos que nos marcaram profundamente e momentos muito especiais que ficaram para a história. No dia anterior estivemos no Music Box em Lisboa e foi um concerto fantástico, um dos melhores públicos de sempre, ficaram pessoas à porta porque a lotação esgotou, a fasquia ficou muito alta para o concerto do dia seguinte no Hard Club. E o concerto foi igualmente bom, o público foi excelente, sei que não estava lá toda a família dealmática mas tenho a certeza que o futuro nos reserva grandiosos concertos neste novo Hard Club.

 

HHW: Já participaste em várias mixtapes e álbuns de outros artistas, podes mencionar uma que tenha tido um significado especial para ti?

Sim, de facto tive o prazer de participar em bastantes álbuns e mixtapes durantes estes anos e tendo que destacar apenas uma, obviamente terá que ser a participação no álbum do Serial “Brilhantes Diamantes”. Foi muito importante para mim, pois fez-me ver que podia fazer música sentida e com conteúdo e chegar na mesma a um público mais vasto, ter airplay nas rádios e televisão. Tomaria exactamente todas as decisões que tomei na altura apesar de toda a controvérsia que gerou no movimento o mediatismo do tema “Brilhantes Diamantes”, acredito que muita gente não tenha gostado de ver a música ter tanto destaque, não os censuro e até compreendo, pois na minha adolescência quando o Hip-Hop começou a ficar mais popular até eu senti que algo que achava só meu e dum público muito restrito, me fugia rapidamente da mão e era banal e apreciado por todos! Agora quero tocar o maior número de pessoas a fazer a música que gosto de fazer, é tão simples quanto isso.

 

HHW: Como surgiu a ideia do videoclip de Dealema" Olhos de Vidro" realizado por Miguel Januário?

A ideia é do Miguel e da equipa da Riot, e essa ideia foi polida após várias reuniões de brainstorming, este já é o terceiro videoclip que fazemos com eles e a sintonia é perfeita. Eles conseguem traduzir as nossas letras em imagem na perfeição. A “Olhos de Vidro” é uma música feita de retalhos de histórias, às quais o guião trouxe um fio condutor que engrandeceu o tema.

Várias pessoas me disseram que depois de verem o videoclip passaram a gostar mais da música porque a entenderam melhor. Uma palavra de apreço e agradecimento também para os talentosos actores que participaram no videoclip.

 

 

HHW: És um dos responsáveis pelas noites Body Rock, juntamente com o D - One e o Deck 97, tem sido positiva esta experiência como Dj?

Tem sido uma experiência bastante positiva, não sou um turntablist, e acho até que deixo muito a desejar ao nível técnico, vejo-me mais como um coleccionador que adora partilhar os seus discos com as pistas de dança! Eu, o D-One e o Deck97 temos gostos muito similares, decidimos há uns anos a convite do Café Au Lait ter uma residência semanal às Quintas, e essa noite começou a crescer progressivamente, o objectivo era dar a conhecer música negra, especialmente a Soul o Funk e o Rap numa altura em que apenas haviam concertos e faltava uma noite para dançar e ouvir a selecção do Dj. Actualmente não temos residência fixa mas tocamos regularmente em vários Clubs da cidade.

 

HHW:Além de produtor és um dos elementos fundadores da editora Faca Monstro, como surgiu esta iniciativa?

Faca Monstro sou eu sob o nome de Spaced Out, Ghuna X, Ex-Pawn, HHY e o Último, já nos conhecemos há muitos anos e a determinada altura achamos que era essêncial fazer uma plataforma para mostrarmos o que andávamos a produzir. Começamos por fazer mixtapes de originais nossos e de produtores amigos e associados ao nosso estilo e linha de pensamento.

Desde então temos desenvolvido algumas iniciativas de rua, festas com live acts e dj sets e estamos neste momento a preparar um 12” para breve.

 

HHW: Em que consiste o teu papel de colaborador da Red Bull Music Academy Portugal, que tens desde 2007?

Posso dizer que sou um dos embaixadores da Red Bull Music Academy no norte, somos alguns espalhados pelo país. No fundo somos a ponte entre a comunidade musical e a Music Academy, vamos estando atentos a novos talentos que aparecem e o nosso objectivo é que estes consigam ir ás edições internacionais que todos os anos ocorrem. Este ano é em Tokyo, tive o prazer de estar presente na edição de Barcelona, não como student mas como observador e tenho a dizer que o que se respira em cada edição é muito inspirador, são músicos de todo o mundo a partilhar visões e experiências, é deveras enriquecedor. Em Fevereiro deste ano haverá uma versão mais curta da Academy no Porto, e haverão muitas surpresas e concertos imperdíveis durante esses dias.

 

 

HHW: Para 2011, esperamos o teu projecto sub_verso que tens vindo a desenvolver com o produtor SOMA e um álbum a solo, confirmas?

No que diz respeito a Sub_verso posso garantir que sairá este ano, temos as músicas quase finalizadas ao nível da mistura. Algumas das músicas têm já mais de cinco anos, este lançamento tem demorado bastante pois o Soma está há alguns anos a viver em Londres e nem sempre é fácil terminar discos à distância. Apesar das músicas terem sido feitas há já alguns anos não haverá o problema de ficarem datadas, pois são temas clássicos e intemporais, a meu ver. Relativamente ao meu álbum a solo não mais adiantarei datas, quando estiver pronto chegará às ruas!

 

HHW: Que ambições ainda tens como músico?

Tenho muitas ambições e metas por atingir, acho que só agora cheguei à minha maturidade artística e tenho um longo caminho pela frente! Quero fazer um álbum a solo e muitos mais de Dealema, aperfeiçoar a arte da produção e mistura, gostava de viajar mais ao estrangeiro com Dealema, principalmente às comunidades lusófonas espalhas pelo mundo fora, e era também importante espalhar o que desenvolvemos em Faca Monstro por outras terras.

 

HHW: Como avalias a situação do Hip-Hop nacional actualmente?

Fico muito feliz pelo crescimento do Hip Hop em Portugal, quem diria há uns anos atrás quando me olhavam de lado por ter umas calças largas, um boné e uma mochila cheia de latas, que o Hip- Hop estaria onde está neste momento, com edições regulares, concertos de grandes nomes do Rap americano, jams de graffiti, convenções e campeonatos de Break Dance e Djing de calibre internacional, tendo isto em consideração parece-me que o Hip Hop está de boa saúde! Obviamente que quando algo cresce, também muitas coisas más aparecem, é quase inevitável para manter um equilíbrio natural.

 

HHW: Top 5 dos álbuns que mais marcaram a tua vida.

Esta lista é uma tarefa quase impossível de fazer para quem ouve muita música! São sempre muito mais que 5 álbuns e estarão sempre a mudar, mas aqui ficam alguns que marcaram determinadas alturas da minha vida:

 

Wu Tang Clan – Enter da 36th Chambers

Donald Byrd – Black Byrd

Soul II Soul – Club Classics Vol. One

Keith Hudson – Pick A Dub

A Tribe Called Quest – Beats, Rhymes and Life

 

HHW: Uma mensagem para os visitantes do Hip-Hop Web.

Preparem-se que vem aí o próximo àlbum de Dealema. Erga-se a fénix em nós, comece a metamorfose!

 

Entrevista realizada por: Sílvia Cunha

Foto de: André Henriques

Partilhar
Google+